21 de fevereiro de 2018

uma entrevista de António Borges Coelho


foto: Miguel Silva


publicada ontem no jornal i.

8 comentários:

  1. Muito instrutiva.
    Obrigado, pela parte que me toca!

    ResponderEliminar
  2. Li a entrevista. Alguns aspectos focados já os lera em outra entrevista do ano passado (mês de Junho) dada ao "JL" a propósito da saída do 6º volume da História de Portugal. A última resposta - sobre a ausência do Islão na História de Herculano - causou-me alguma perplexidade. É verdade que o Livro I arranca com os borgonheses e a fundação da nacionalidade, mas a Introdução II dedica cerca de 100 páginas à conquista da Península por Tarik e Musa, às guerras civis entre os muçulmanos, às diversas dinastias até à entrada dos almorávidas. E a matéria não se esgota nas partes seguintes. Eu li a História de Herculano na juventude e ainda é a fonte que sigo para tirar algumas dúvidas. Também aborda desenvolvidamente a monarquia asturo-leonesa, o domínio romano é que nem tanto, acho eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A História do Herculano (aliás, fundadora) aborda as questões políticas, militares e institucionais, deixando de fora a história social e cultural. É essa a essa 'ausência' que o ABC se refere.

      Eliminar
    2. Sim, essa é a pecha que se aponta a Herculano. Falava apenas de ABC ter referido a ausência do Islão ("lacuna brutal") na História de Portugal escrita pelo educador do príncipe D. Pedro ("ad usum Delphini"). Porém, lendo com atenção, pode entender-se que o termo Islão traduz precisamente esse conjunto de elementos sociais e culturais desprezados por Herculano. E sendo assim, o discurso tem sentido.

      Eliminar
  3. Meu Professor.
    Adorei encontrá-lo aqui.

    :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei da entrevista (gosto sempre de aprender)... e concluí, após a leitura dos comentários do Manuel e Ricardo, que tenho de ler a História do Herculano.
    (Aonde vou eu encontrar vida para ler tudo o que me falta ainda?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sugiro a edição da Bertrand, com um estudo introdutório e notas do José Mattoso.

      Eliminar