3 de fevereiro de 2018

UM APONTAMENTO AUTOBIOGRÁFICO EM "A TEMPESTADE"

«Volveu ao passado, à aldeia nativa. Surgiam os campos à beira do rio, a velha ponte, a levada, a igreja lá ao fundo. Em seguida, o grupo de austeros castanheiros que existia na estrema do vale, já nas faldas da serra. “Havia muito sol nos castanheiros quando ele dissera a Mariana que estava apaixonado por ela – e ela começara a rir-se… Tinha razão. Ela era já uma rapariga de vinte anos e ele um garoto. Fora o seu primeiro interesse feminino.”»
--- Capítulo II, Albano recordando a sua vida no transe doloroso do dia 10 de Maio.

«Um amor pueril iria dar novo rumo à sua vida. Apaixonara-se por Margarida, que aos dezoito anos pouco ligava à criança que ele, com pouco mais de dez, ainda era. Um acto temerário agigantá-lo-ia, decerto, aos olhos de Margarida. Decidiu, a exemplo do que faziam muitos homens e rapazes da sua idade, emigrar para o Brasil, proeza que espantaria tudo e todos.»
--- Dados biográficos da infância de Ferreira de Castro, Guia da Exposição do Museu Ferreira de Castro, Sintra.

Foto: exemplar de "A Tempestade" adquirido em alfarrabista, edição de 1940, carimbada na última página com o ex-líbris do autor.


2 comentários:

  1. Belo o trecho do romance. Curioso o paralelismo, a comprovar que a escrita ficcional tem sempre uma grande componente autobiográfica.

    ResponderEliminar