3 de junho de 2019

AGUSTINA BESSA-LUÍS




A minha homenagem a uma grande Escritora e Cidadã que hoje deu o passo definitivo para a imortalidade.


"No Natal, o padrinho, que veio consoar com a madrinha, disse:
- Ema não tem namorado? - E deitou-lhe um olhar que a enxovalhava, que lhe rompia as entranhas como uma arma branca.
Ema pensou, pela primeira vez, que o casamento estava a preparar-se como uma nova condenação, como uma injustiça mais elaborada. Carmezim deu-lhe a notícia de que precisava de tomar as águas. Tinha o fígado avariado, era o termo que usava, como se se referisse a uma máquina, um motor que, de tempos a tempos, precisasse de reparação. Mas o que pretendia, no absoluto da sua vontade, odiosa apesar de afectar complacência e grandeza de alma (outro dos seus termos favoritos), era despertar na afilhada a perturbação sexual que iria resolver-se no casamento. A juventude, minada assim na sua substância equivalente à eternidade, teria que receber o golpe que não cicatriza mais; seria corrompida pelo desejo revelado; e a aventura humana começaria para Ema com todos os seus males do século, a ansiedade e o tema da senilidade. Convidou-a para os acompanhar às termas."

(Vale Abraão, Os Grandes Escritores Portugueses Planeta deAgostini, pag. 27-28)  

2 de junho de 2019

sem trabalho e sem abrigo

«Uma única ideia ocupava o seu cérebro vazio de operário sem trabalho e sem abrigo, -- a esperança de que o frio seria menos vivo depois do romper do dia.»  Émile Zola, Germenial [1885], tradução de Bel Adam, Lisboa, Biblioteca d'Educação Nova-Editora, 1903, p. 1. 

21 de maio de 2019

uma vinheta de Art Spiegelman


Art Spiegelman, Maus - A História de um Sobrevivente (1980)
trad., Fernando Amorim, Lisboa, Difel, 1988, p.  23

7 de maio de 2019

caminho marítimo para o exílio

«Ai do cabo-verdiano se não tem aprendido a defender-se por si. Já não existíamos. Quem evitou a emigração para a América, Brasil, Dakar, Argentina, Guiné? Foi o Governo Português? Foi o próprio cabo-verdiano, que descobriu o caminho marítimo para todas essas paragens.»  Teixeira de Sousa, Ilhéu de Contenda [1978], Mem Martins, Publicações Europa-América, s.d., p. 261.

2 de maio de 2019

O ÊXITO FÁCIL

A história de um escritor de grande sucesso que à hora da morte se apercebe da fragilidade da sua obra. Uma obra escrita sem nada de si, em obediência aos gostos do público leitor. Assim vendia muito, vendendo-se... Esta é a 2ª edição, de 1932, de O Êxito Fácil. E com uma bela capa de Roberto Nobre.
Numa entrevista do jornal O Diabo, de 10-2-1940, Ferreira de Castro diz o seguinte: «O desejo de produzir muitos livros de qualquer maneira, para vender muito e ganhar muito dinheiro, nunca me embriagou (…) Não me esqueço de que sou autor de uma novela que se intitula O Êxito Fácil – uma novela contra os fáceis êxitos.»

24 de abril de 2019

"- Diz a Sua Majestade que quero vê-la nua.

- Vossa Majestade está louco.
A cara que fez a dama ultrapassou os limites do estupor, mas restaram-lhe forças para desabafar com a sua amiga mais próxima, e esta com a sua vizinha, e, assim, a notícia deu imediatamente a volta ao salão e chegou até ao padre Villaescusa, com a sua carga de horror e de clarividência; o capuchinho compreendeu que, entre tanta gente, só ele tinha a razão do Senhor repartida entre o coração e a cabeça, e só ele sabia como havia que agir. Não se despiu: com paramentos e casula, permaneceu no altar e, ao descer dele, fez-se preceder pela cruz e pelos ciriais; deambulou assim por corredores e galerias, de modo que, quando o Rei se aproximou dos aposentos da Rainha, com intenção de entrar, topou com ele pela frente. E quando o Rei estendeu a mão para o puxador, a cruz atravessou-se-lhe diante da porta, em ângulo inclinado sobre o eixo vertical, e nos olhos inflamados do padre Villaescusa pôde ler um veto indiscutível. A sua mão largou o puxador, persignou-se e rodou sobre si próprio. O Valido estava ali, e o Rei confiou-lhe: 
- Quero ver a Rainha nua.
E afastou-se com o mesmo rosto pasmado, embora nas suas pupilas já brilhasse a esperança."

(Crónica do Rei Pasmado, Gonzalo Torrente Ballester, Colecção Essencial, Livros RTP, pg. 42)

23 de abril de 2019

«E, deixem-me dizer-lhes,

se entrassem na nossa sala dos criados em qualquer dessas noites, não teriam ouvido mera tagarelice; o mais provável seria assistirem a debates sobre as grandes questões que preocupavam os nossos patrões, no andar de cima, ou então sobre assuntos importantes relatados pelos jornais.» Kazuo Ishiguro, os Despojos do Dia [1989], trad. Fernanda Pinto Rodrigues, Lisboa, Gradiva, 1991, p. 20. 

5 de abril de 2019

«O verdadeiro prazer de ler um romance

começa quando conseguimos ver o mundo, não de fora, mas sim através dos olhos dos protagonistas que habitam esse mundo.» Orhan Pamuk, O Romancista ingénuo e o Sentimental [2010], trad. Álvaro Manuel Machado, Lisboa, Editorial Presença, 2012, p. 16.

4 de abril de 2019

a 'pneumónica' em Vila Velha

«Um vago perfume de eucalipto queimado pairava nas ruas. Era o único sinal de combate que a Vila travava contra a morte. Vultos de preto cruzavam-se de longe, separados por uma barreira de medo. Em algumas casas uma luz mortiça escapava-se através das janelas, luz de velório ou visita de médico.» Álvaro Guerra, Café República (1982), 3.ª ed., Lisboa, o Jornal, 1984, p. 37.

23 de março de 2019


MÚSICA NO CORAÇÃO


"A 15 de Março, diante do palácio imperial, a toda a largura da praça, até à grande estátua equestre de Carlos de Áustria, a multidão, a pobre multidão austríaca, enganada, maltratada, mas em última análise aquiescente, está ali para aclamar. Quando se soerguem os horríveis andrajos da História, é isso que se encontra: a hierarquia contra a igualdade e a ordem contra a liberdade. De modo que, induzida em erro por uma ideia de nação mesquinha e perigosa, sem futuro, esta imensa multidão, frustrada por uma derrota precedente, estende o braço para o ar." 

14 de março de 2019

fintar a vida

«Viajei, comi bem, fiz amor, trabalhei afincadamente no meu arquivo de anedotas que os meus amigos escolhiam por tema e eu desenrolava a eito depois do café, sem jeito nenhum, mais morto de riso do que eles. Fui fazendo tudo isso porque não sou de me deixar estar, a permitir que o mundo me esfregue sal na grande ferida que sou. Mas também nunca me deixei enganar por estes falsos expedientes.»  Victória F., «Requerimento», Elogio da Infertilidade, Sintra, Câmara Municipal / Museu Ferreira de Castro, 2018, p. 6.

6 de março de 2019

a chegada da família real ao Porto

«Afinal chegava o cortejo. Os foguetes estouravam com um estampido digno do município; os vivas elevavam-se em um crescente ameaçador; uma nuvem de crianças precedia os batedores; tudo falava na sua passagem, tudo arrastava consigo; o povo pendurava-se às portinholas do carro em que vinha a família real, devorava com o olhar a rainha, o rei e os príncipes, e ficava como que espantado de os ver rir e conversar como simples mortais.» Júlio Dinis, Serões da Província (1870)

2 de março de 2019


4º CENTENÁRIO DA MORTE DE FREI AGOSTINHO DA CRUZ





A pedido do coordenador das celebrações comemorativas do 4º Centenário da Morte do Poeta Frei Agostinho da Cruz, que se cumpre no próximo dia 14 do corrente, aqui fica o convite.

Todos serão bem-vindos. Esta parte do programa decorrerá em Setúbal.

Posso desde já adiantar que no âmbito das celebrações se realizará um colóquio em Sintra, no dia 8 de Junho próximo futuro, com intervenção de especialistas na obra do poeta e de mim próprio.                                                                                                                                                Oportunamente publicarei o convite. 


F. Faria

27 de fevereiro de 2019

ELOGIO DA INFERTILIDADE



"Simplício viu o do bigodinho aprisioná-los juntos, sem ciúme aparente, por detrás da barra de segurança, viu as estrelas principiarem a mover-se num arco perfeito e transformarem-se em missangas, viu os pés a mulher, também eles perfeitos, nas sandálias rasas. Um instante soberbo.
Custava-lhe muito subir os olhos por ela acima porque o vinho evaporava rapidamente e com ele a coragem, mas de alguma forma conseguiu fazê-lo e viu-a devolver-lhe o olhar com uma imperturbabilidade demovedora. Mirava-lhe sobretudo as costas curvas, que ele se apressou a endireitar. Depois, muito inesperadamente, ela tocou-o, sacudindo-lhe os ombros. Apesar da vergonha da caspa, ele gostou que ela o tivesse tocado. - És um homem muito estranho - disse-lhe ela, continuando as escovar-lhe para fora das costas, com a mão, qualquer hipótese de desgraça. - O destino brinca às escondidas contigo. - E Simplício, em vez de lhe responder, encomendou a alma ao criador e beijou-a. O beijo durou o resto do tempo da viagem na roda gigante, mas assim que parou Irondina afastou-se a passo largo." 

(Do conto 'Irondina', pag. 46-47)

Gostei muito do livro. Revela-nos uma escritora madura, dona de uma escrita inteligente, fluida e ritmada, hábil no uso da linguagem e na caracterização das personagens, e possuidora da arte do pormenor, que é, para mim, uma das pedras de toque da boa Literatura.

22 de fevereiro de 2019

A Batalha

Não podia faltar a referência à colaboração de Ferreira de Castro e não faltou.
A Batalha dos 100 anos

CM 1339 - Serranilha das bombas de Candedo

A estrada é serrana, erma, ventosa;
vi venir senhora obesa, torpe, andrajosa.

Vi-a venir detrás de barraca indecorosa;
cheguei-me per'ela com grã cortesia.

Cheguei-me per'ela de grã cortesia,
disse-lhe: senhora, tendes gasolina?

Disse-me: forasteiro, segui vossa via,
aqui só temos gasóleo agrícola.


Rui Lage, Estrada Nacional (2015)

18 de fevereiro de 2019

Beldemónio e Bel-Adam (e Zola)

«Dans la pleine rase, sous la nuit sans étoiles, d'une obscutité et d'une épaisseur d'encre, un homme suivait seul la grande route de Marchiennes à Montsou, dix kilomètres de pavé coupant tout droit les champs de betteraves. Émile Zola, Germinal (1885)

«Na planície rasa, sob a noite sem estrelas, de uma escuridão crassa de tinta, um homem seguia sozinho a estrada de Marchiennes a Montsou, dez quilómetros de caminho a direito, por entre campos de beterrabas.» Tradução de Beldemónio (Eduardo Barros Lobo, 1885)

«Na planície rasa, por uma noite escura, sem estrelas, um homem seguia sozinho a estrada real de Marchiennes a Montsou, dez quilómetros de caminho a direito, através os campos de beterraba.» Tradução de Bel-Adam (Severino de Carvalho, 1903)

«Devant lui, il ne voyait même pas le sol noir, et il n'avait la sensacion de l'immense horizon plat que par les souffles du vent de mars, des raffales larges comme sur une mer, glacées d'avoir balayé des lieues de marais et de terres nues.»

«Adiante do nariz não via nem sequer o chão negro; e não tinha a sensação do imenso horizonte plano senão pelos bafos do vento de Março, rajadas largas como no mar alto, glaciais de terem varrido léguas e léguas de pântanos e de terras escalvadas.» (Beldemónio)

«Não via sequer o chão negro, e do imenso horizonte chato só tinha a sensação pelos corpos rijos do vento de Março, rajadas largas como no mar, glaciais de terem varrido léguas e léguas de pântanos e terrenos escalvados.» (Bel-Adam)

«Aucune ombre d'arbre ne tachait le ciel,  le pavé se déroulait avec la rectitude d'une jetée, au milieu de l'embrun aveuglant des ténèbres.»

«Nem sombra de árvore manchava o céu; a estrada desenrolava-se com a prumada de um quebra-mar, em meio das trevas obcecantes» (Beldemónio)

«Nem sombra de árvore manchava a atmosfera; a estrada desenvolvia-se com a planeza dum quebra-mar, no meio da cerração obcecante das trevas.» (Bel-Adam) 

espreitar aqui e aqui

1 de fevereiro de 2019

MAUS, a vinheta inicial


Art Spiegelman, Maus - A História de um Sobrevivente (1980)
trad., Fernando Amorim, Lisboa, Difel, 1988, p. 4


31 de janeiro de 2019

o top de 2018



1.º Germinal, de Émile Zola (8 votos)

2.º Os Despojos do Dia, de Kazuo Ishiguro (6 votos)

3.º A Tempestade, de Ferreira de Castro (4 votos) 

4.º Maus, de Art Spiegelman;  Ilhéu de Contenda, de Teixeira de Sousa (3 votos)

6.º O Romancista Ingénuo e o Sentimental, de Orhan Pamuk; Insanus, de Carlos Querido; Um Muro no Meio do Caminho, de Julieta Monginho (1 voto)

sem votos: Donde Viemos - História de Portugal I, de António Borges Coelho; Café República, de Álvaro Guerra; Malditos -- Histórias de Homens e de Lobos, de Ricardo J. Rodrigues

23 de janeiro de 2019

chão sem cadáveres e céu sem explosões

«Da raiz à nuca é escura como os olhos de Asmahn, esmorecida, como agora estão os olhos, em confronto com uma espera infinita, numa ilha que lhe oferece pouco mais do que o chão sem cadáveres e o céu sem explosões.» Julieta Monginho, Um Muro no Meio do Caminho, Porto, Porto Editora, 2018, pp. 39-40.

10 de janeiro de 2019

lestada

«Quando clareou o dia, a lestada já havia amainado. Eusébio saiu a averiguar os estragos do temporal. A verdura que na véspera cobria as achadas, os cutelos, as ribeiras, transformou-se da noite para o amanhecer num emaranhado de hastes e folhas ardidas. O milharal que tanto prometia, as faquetas arremangadas prometendo fartura, encontrava-se agora alastrado no chão, de mistura com as cordas de aboboreira e caules de feijoeiro. As árvores pareciam aves depenadas, os galhos contorcendo-se de desespero. O vento leste queimara tudo.» Teixeira de Sousa, Ilhéu de Contenda [1978], Mem Martins, Publicações Europa-América, s.d., p. 215.

3 de janeiro de 2019

31 de dezembro de 2018

Sobre o GERMINAL, de Émile Zola

No Declínio da Mentira, ensaio de O. Wilde contra a arte mimésis do real, explicitando sobremaneira o naturalismo, Zola citado, defende-se a perspectiva de ser o mundo real a inspirar-se nas obras, assumindo o que a arte sugere, cria, sonha, com as correlativas reconfigurações escalares do humano, assim se invertendo a habitual polarização. Adoro Wilde, como Zola, este não se revelando indigente do imaginário, nem pecando por imitatio, ou nem haveria arte na sua obra. Injecta-o na dimensão crucial do Germinal, a da sementeira de novas sociedades a serem relegadas para desejado próximo porvir, o mês Floral - ou outro mais ou menos distante. Vencidos ou não, os mineiros e demais explorados prolongam lutas pelos seus direitos. Expandiram a própria consciência no sofrimento da luta. E não se trata de combate deles, é nosso, da humanidade. Tocam-se ideais  que nos movem e, passo a passo, transformam formas de vida. Hipóteses se formulam, dependentes de condições. Combata-se por estas e avançar-se-á nos direitos do mundo do trabalho -- veja-se a profusão de predicadores no condicional, formas verbais interdependentes das mencionadas condições  proliferantes pela obra. Sem minério como existir ainda hoje? Próteses, TM, medicamentos, pirites, ouro, electricidade, aquecimento, siderurgia, etc, alguns anotados desde que a escrita aparece e lhes referencia custos e comércio. Equacionar um dos trabalhos mais violentos e difíceis no sonho! Eis o meu fio condutor na nossa pluralidade de leituras, outras tantas camadas interpretativas. Estilo não fotográfico, olha-se num certo enquadramento social e ideológico, segundo metas claras. Crítico e lúcido, Zola procede como «um olho da história; torna-se visível algo suspenso por um ciclone de justas lutas comunitárias, frase de um certo Didi Huberman (estropiei o nome?). Todavia é arte literária, romance, ficção sobre excelente observação, aflorando-se súmula de correntes anárquicas e marxistas, abundantes em cisões -- não se requer maior exactidão, como se não critica a ausência descritiva das vítimas de desabamentos ou explosões, cadáveres explodidos. Basta de belo horrível.  Ainda que Étienne venha de fora, provoca a greve com alguma preparação. Não é longa a organização, algo de frágil revelado nele mesmo que, no fim, retorna a Paris, convidado para a área política - então como hoje... 
A substância do romance naturalista em pauta é a de se convocarem outras formas de relações laborais, ainda que elididas de efectivação. Publicada em 1885, após: Manifesto Comunista, 1848, auge da revolução industrial, e já de Liga formada em 1847; Associação Internacional dos Trabalhadores, 1864; a Comuna de paris,  1871. Germinal edita-se um ano depois de A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, 1884, em Zurik, parcial retoma de anteriores notas de Marx,  em alemão, língua que ignoro ser do conhecimento de Zola. Há  evidentes afinidades temáticas na descrição dos horrores laborais na extracção da hulha, possíveis pelo contexto de então, circulação de ideias e ideólogos por Londres, Paris, etc. Se calhar é de facto Zola, que viveu mais tarde em Londres, quem primeiro retrata a vida dos mineiros carboníferos, em simultaneidade com Engels, sem interconhecimento de obras ao tempo da respectiva escrita. Todavia cruzaram-se as teorias, aliás e também com as teses anarquistas de então,  considerada ampla variedade de linhas... No livro surge um anarquismo insurreccional, contra «limitações» das lutas reivindicativas, virados para a acção, bombas e sabotagens do poder capitalista, na mira de os fins justificarem os meios - tipo Ravachol (troco palatais francesas...?), Netchaev e outros, como os que posteriormente alinham na tchernoe znamia. Bakunin citado não foi tipicamente da frente «terrorista» deste anarquismo revolucionário, definia-se mais pela federação de comunidades, algum anarco-sindicalismo - tinha pertencido à II Internacional, 1864. Kroprotkin, anterior, era mais mutualista. Ambos deixam rasto na greve e subsequentes acções, todavia Suvarin sabotador, alguém que vem do exterior, age de modo a suscitar crítica do leitor, julgo eu.
Gosto muito da 1ª parte, cap 1, cap 3, la mine; 3ª parte , cap 3 chez Maheu; 4ª parte, cap 4, le charbon, maior energia de então e que enriqueceu desmedidamente a burguesia afectada a tal produção, aniquilando os mineiros; 5ª parte, cap 5, a massa do proletariado em raiva descontrolada. Tremendos subterrâneos da vida laboral! Até ao presente sem eficaz solução, vejam-se: Quénia (os Masai, orgulho da causa libertadora africana, exploram em regime selvagem os mais pobres deles e outros), R P do Congo ( idem, à margem de toda a legislação laboral); pouco após graves acidentes há encerramento de minas em Moçambique, no Chile (lembram-se dos homens encerrados entre galerias, um longo processo de salvamento,  houve fecho da extracção uns 2 anos depois...; China, Rússia, Rhur...etc. O hino dos mineiros romenos começa com o verso «Nós que nunca vemos a luz do sol....» e recorde-se o hino dos mineiros de Aljustrel. No regime soviético os mineiros de primeira linha, de broca perfuradora da parede carbonífera, auferiam tanto quanto um reitor de universidade ou um astronauta. Tinham acesso a melhor habitação, a viatura, a mais meses de férias e em bons locais. Todavia, pelos 40 anos preferiam licenciar-se no Instituto de Carvão, passar  a engenheiros com um quinto do salário... Duríssimas condições de trabalho. Se não tivessem os referidos direitos laborais, jamais a URSS teria alcançado o poder económico a que chegou, pese a corrupção (mais de 50 % do carvão mundial).E como teriam construído os tanques cruciais para a vitória sobre os nazis?!
 A ciência ainda não atingiu o ponto de solucionar graves consequências como a antracose, os desabamentos (com rigoroso escombramento pode haver leves movimentos da placa tectónica ou afins, caindo  a «tampa de caixão» da gíria mineira); e prever bolsas de gás atrás da zona em exploração nem sempre é possível - vibrações da broca quente basta para uma explosão. Processos há que diminuem consequências, mas não há total prevenção. Nem sempre a extracção a céu aberto é viável, e a silicose dessas «pedreiras», em cima da antracose, além de ...(reflectir sobre o mármore em Borba...)
Zola, algo determinista, não totalmente fatalista, descreve efeitos da atroz miséria sobre os trabalhadores e familiares, responsabilizando o sistema capitalista, seus governos, a burguesia, o clero, polícia e exércitos (era a III República de Thiers, promotor do massacre da Comuna). E cito (li original francês, outra paginação) « Abrir os horizontes daquelas pessoas....elevá-las ao bem estar e às boas maneiras da burguesia...torná-las patrões» (também a Sophia M Breyner afirmava que todos deveriam ser aristocratas, parece-me que em sentido etimológico). Ora penso que não é de «tornar patrões», como nível, é de pôr fim a tal mentalidade e estilo de vida. Estava-se a dar primeiros passos com certas confusões, penso. Assim, «do fundo da terra germinará uma semente....um exército de homens que viria restabelecer a justiça» (criá-la, não existiu antes, creio... O desfecho «....os homens brotavam, era um exército coberto de carvão, vingador, que germinará lentamente da terra para crescer nas colheitas do século seguinte....»  . Palavra do ser humano...
Se reflectirmos, DESDE QUE A MINERAÇÃO SE FAZ, HÁ MILÉNIOS, é maior o número de mortos em acidentes ou devido a doenças profissionais  que a população mundial do agora. Nessa tragédia nasceu imensa parte da nossa evolução. A ciência derivou mais para armamento e guerras. Adoro a caracterização das minas, onde Zola até trabalhou, como: em evocação da Antiguidade Greco-romana, qual Ogre, Minotauro exigindo filhos da terra, Eríneas vingadoras, Fúrias, Tártaro; numa menção a outra Antiguidade mediterrânica, qual Molok (entre os amorreus divindade, com cabeça de touro ou leão, que exige sacrifício de crianças a serem lançadas ao fogo); numa referência à tradição judaico-cristã qual Sodoma (destacando-se Étienne com um Cristo branco, iluminado ao luar...), trompetas do Apocalipse, «dieu accroupi au fond de son tabernacle», inacessível... Os subterrâneos da mineração, as profundezas da terra, o inferno de sucessivas mitologias, onde diversas religiões  se  destacam. O Advento de uma justiça dos explorados é contraposto à actuação do clero junto da burguesia exploradora, grosso modo... Palavra operária seguindo-se a séculos, a milénios, de sacrifício como animais em redil de gado, escravos ( literatura latina informa que estes valem menos que um cavalo por não poderem ser montados...), que o protagonista pretende libertar no modelo da luta de classes Só isso alterará o que aparenta ser hereditariamente sem fim e os confina, mineiros e familiares, à desumanidade. Cessam as patologias noutras condições de vida. O romance lembra-me filmes de Murnau e Zimmermann, Metrópolis e o Sal da Terra, como tanta obra artística sobre a escravatura e formas mais agudas de exploração humana, por vezes sobre a mineração. Zola descreve as condições das mulheres e das crianças, como aquelas gritam de cabelos ao vento, quais figuras de Delacroix, como elas emasculam o predador da mercearia, Maigrat. O todo num fabuloso estilo descritivo-dramático, de imagens estáticas ou dinâmicas, objectivas e de tal força! Léxico de quem observou bem a povoação mineira.
Um naturalismo formatado por ideal e justiça que passa por regeneração, pelo fogo se transforma, metáfora poderosa, como a figura do cavalo, apresentado como os humanos e estes como os cavalos.
Maria José Carvalho

30 de dezembro de 2018

PARA ACICATAR OS INDECISOS...


CM 1122

A pele dos estofos é ainda a tua,
e o calor do banco dianteiro.

Radiador vazio,
o meu coração sobreaqueceu.

Desço o vidro e ponho a cabeça de fora
a ver se o vento ma limpa
ou ma leva.

O gelo reluz no asfalto.

O cigarro que lhe atiro:
há instantes apenas acendido
pela tua mão soberana,
provinciana, emigrante.

A pele dos estofos é ainda a tua,
e o calor do banco dianteiro

e a minha alma um cinzeiro
que não posso despejar.

(Estrada Nacional, Rui Lage, pag. 29)

19 de dezembro de 2018

Imagens de GERMINAL

Para quem se atreva a confrontar a sua imaginação com a dos produtores do filme Germinal, deixo estas ligações. Se "não quiser arriscar... não petiscará", a acreditar no rifão.


13 de dezembro de 2018

os livros de 2018

A Tempestade, de Ferreira de Castro
Café República, de Álvaro Guerra
Donde Viemos - História de Portugal I, de António Borges Coelho
Germinal, de Émile Zola
Ilhéu de Contenda, de Teixeira de Sousa
Insanus, de Carlos Querido
Malditos - Histórias de Homens e Lobos, de Ricardo J. Rodrigues
Maus, de Art Spiegelman
O Romancista Ingénuo e o Sentimental, de Orhan Pamuk
Os Despojos do Dia, de Kazuo Ishiguro
Um Muro no Meio do Caminho, de Julieta Monginho

11 de dezembro de 2018

pedra

«Percebi que há nas pedras almas por resgatar, vidas aprisionadas, clamores de partir o coração. A nudez sem artifícios das pedras obceca-me, cega-me. passei a venerá-las como restos de uma estrela adormecida que guardam a memória da sua antiga incandescência, como vidas suspensas, condenadas à imobilidade.» Carlos Querido, «Estátuas», Insanus, Lisboa, Abysmo, 2017, p. 83.

7 de dezembro de 2018

«A Cega Sanha do Povo»


Ontem, diante do relato dessa jacquerie contemporânea que desfila crua diante de nós, na «Quinta parte» do Germinal (1885), do Zola, veio-me à memória este desenho do anarquista Roberto Nobre, datado de 1935, e que está no Museu de Faro.

4 de dezembro de 2018

da importância do método

«É evidentemente, responsabilidade de todo o mordomo dedicar o máximo cuidado à elaboração do esquema de pessoal. Sabe-se lá quantas desavenças, falsas acusações, despedimentos evitáveis, até mesmo quantas carreiras promissoras abruptamente terminadas, podem ser atribuídos ao desleixo de um mordomo na fase de elaboração de um esquema de pessoal!» Kazuo Ishiguro, Os Despojos do Dia [1989] , trad. Fernanda Pinto Rodrigues, Lisboa, Gradiva, 1991, p. 9.