4 de junho de 2012

Nótula sobre O RISO DE DEUS, de António Alçada Baptista



Nota breve, por que o livro não justifica mais.
De António Alçada Baptista (AAB) lera o ternurento Tia Suzana, Meu Amor (1989) e a breve evocação da infância Uma Vida Melhor (1984), de que guardo, em especial do segundo, uma boa memória de leitura. Este Riso de Deus, enquanto obra literária é trágico; como tese, patético.
AAB não tem oficina. O estilo é paupérrimo, croniquetas marie claire,  de resto, muito praticado pelo autor; a estrutura do romance é um desastre, um pastelão que provoca um longo bocejo; os diálogos são aborrecidos solilóquios. Passamos a metade do livro e perguntamo-nos por que raio estamos a perder tempo com ele.
Depois, umas banalidades perigosamente próximas do tom auto-ajuda e umas angústias muito marcadas pelo peso da religião que, para quem como eu é ateu se tornam risíveis e/ou irritantes, embora as compreenda, criado que fui em ambiente de catolicismo formal. É um livro de um agnóstico com remorsos ou, pior ainda: a autojustificação (auto-desculpabilização) de um crente.
No meio deste bocejo, algumas partes conseguidas (a carta a Rosa, por exemplo) e umas quantas ideias interessantes: o elogio da inutilidade, contraposta à fúria competitiva emanada da ideologia utilitária das sociedades mercantis modernas; as memórias da infância (ponto forte do autor) e dum tempo provinciano já morto; o enaltecimento do género feminino, com sensibilidade e/ou intuição assinaláveis e consequente  rejeição do estereótipo marialva, bem presente na nossa cultura; uma necessidade de transcendência que não se fica pela Igreja, mas que vai mais além, ao simbólico e ao metafísico. São estas ideias que valem o livro -- nada que não se possa encontrar em grande literatura.

2 comentários:

  1. Não tendo lido o livro, por falta de oportunidade, fiquei com duas ideias:
    - A ideia sobre o livro
    - A ideia de não o ler.
    Bem haja, por ambas.

    ResponderEliminar
  2. Caro Zé,

    Fico com um bocado de remorsos pela segunda... -- até porque cada um faz a sua leitura, de acordo com o historial que tem, enquanto indivíduo e também enquanto leitor.
    De qualquer modo, para mim, o que mais aborrece é a sensação desagradável de estar a ler algo menor e secundário, eventualmente com algum (pouco) proveito, mas nenhum prazer, quando as solicitações de leitura são imensas, infinitas...
    Um abraço.

    ResponderEliminar